sábado, 14 de abril de 2012

A EVOLUÇÃO DO SEIS SIGMA – Parte 4

A vez dos japoneses...
Após a década de 50, e durante os 20 anos seguintes, os esforços dos japoneses em relação à melhoria contínua da qualidade e a capacidade de produção foram mais eficazes do que os esforços empregados nos Estados Unidos.
O foco dos japoneses em dois aspectos da produtividade (a eliminação de defeitos e redução do tempo de ciclo) resultou em avanços importantes e muito sucesso para a Toyota e outras empresas japonesas.
Enquanto isso, os Estados Unidos se concentravam em aumentar o volume de produção e manter uma participação lucrativa no mercado.
Ishikawa aprendeu os princípios do controle estatístico da qualidade desenvolvido pelos americanos e Kaoru traduziu, integrou e expandiu os conceitos de gerenciamento do Dr. William Edwards Deming e do Dr. Joseph Moses Juran para o sistema japonês.


Ishikawa, Deming e Juran
Talvez a contribuição a mais importante de Ishikawa tenha sido seu papel chave no desenvolvimento de uma estratégia especificamente japonesa da qualidade.
A característica japonesa é a ampla participação na qualidade, não somente de cima para baixo dentro da organização, mas igualmente: começa e termina no ciclo de vida de produto.
No final dos anos 50 e no início dos anos 60, Ishikawa desenvolveu cursos de controle da qualidade para executivos e gerentes. Igualmente ajudou o lançamento da Conferência Anual do Controle da Qualidade para gerência, diretores em 1963.
Em conjunto com a JUSE (Japanese Union of Scientists and Engineers), na década de 60, Ishikawa introduziu o conceito de Círculo de Qualidade.
Em 1982, viria o”Diagrama de Causa-e-Efeito”, também conhecido como Diagrama de Ishikawa, uma ferramenta poderosa que é  usada com muita facilidade por não especialistas para analisar e resolver problemas.


Com esse diagrama este líder da gerência fez avanços significativos na melhoria de qualidade.
Dr. W. Edwards Deming, um dos colegas de Isikawa, adotou este diagrama e usou-o para ensinar o controle de qualidade no Japão. Ishikawa e Deming usaram este diagrama como ferramenta no processo da gerência de qualidade.
Para Ishikawa, “a qualidade é uma revolução da própria filosofia administrativa, exigindo uma mudança de mentalidade de todos os integrantes da organização, principalmente da alta cúpula”.
A década de 70 foi marcada pelo embargo do petróleo de 1973 e esse fato levou os líderes de empresas americanas a reconhecerem, finalmente, a importância da qualidade.
O impacto foi ainda maior após a retomada do fluxo de petróleo... os japoneses, nesse meio tempo,  desenvolveram e trouxeram para o mercado automóveis mais eficientes em termos de combustível, a fim de atender às novas exigências dos clientes.
Esses automóveis eram mais baratos, de melhor qualidade e atendiam às novas necessidades do cliente de uma forma mais adequada do que os produzidos nos Estados Unidos. Assim, os Estados Unidos perderam sua participação no mercado para os automóveis importados....
Semana que vem ... Se o Japão pode, por que não podemos?

Nenhum comentário:

Postar um comentário