sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

O que aprendi sobre a gestão Lean Six Sigma


Semana passada, ainda em clima de férias, escrevi bem pouco...  Já o artigo desta semana trata de um assunto que termina nunca e, por isso, preferi dividir o texto em várias partes...
Toda vez que vou falar em Gestão Lean Six Sigma, busco listar quais são as lições que tenho aprendido ao longo desses anos mergulhada na metodologia.
Essa lista, evidentemente, consiste na avaliação de uma única pessoa, sendo que existem também outras perspectivas recentes. Qualquer lista de lições aprendidas sobre o Lean Six Sigma é um trabalho inacabado, que, tenho certeza, terá evolução, pois eu continuo aprendendo.
Sei que muito do que irei dizer tem a aprovação da maioria dos usuários do Seis Sigma.
As lições mais importantes estão listadas abaixo numa seqüência lógica, para mim, que não pretende refletir uma ordem de importância.

Lição 1.  A Hora é Agora: Os conceitos implícitos no Seis Sigma e no Lean Maufacturing sempre fizeram sentido. O que torna o Lean Six Sigma tão oportuno atualmente é a combinação dos seguintes elementos: Intensas pressões competitivas, incluindo as pressões resultantes da globalização, maior demanda de produtos de alta qualidade, reconhecimento do custo da má qualidade, acessibilidade a grandes bancos de dados e a capacidade de digerir e analisar dados."
Na verdade a metodologia não possui ferramentas novas, mas sim uma coleção de ferramentas organizadas dentro do que chamamos DMAIC (definir, medir, analisar, implementar e controlar). Para mim, que sou da geração “sem computador na faculdade”, acredito que as facilidades geradas pela presença dos programas que calculam e desenham gráficos impulsionaram a metodologia.
Lição 2. O Comprometimento entusiasmado da alta direção é essencial: Isso nos leva a segunda razão de muitas iniciativas terem fracassado no passado. Muitos esforços de melhoria eram promovidos pela direção dos níveis mais baixos, assumindo-se uma abordagem "de baixo para cima", em vez de uma abordagem "de cima para baixo".
É muito improvável que o Seis Sigma tivesse tido êxito na General Eletric (GE) sem a firme liderança de Jack Welch. Uma aprovação tácita não é suficiente. O que é necessário é um investimento “emocional” e financeiro visível e, também, um sistema que recompense ativamente a implementação e os implementadores eficazes. Os líderes locais da empresa, chamados de Champions, desempenham um importante papel no sentido de tornar o Lean Six Sigma realidade.
Benefícios do Seis Sigma na GE (1996-2000)

 Fonte: http://www.ge.com/en/
Situação das Ações da GE (1965-2004)

Fonte: http://www.isdbrasil.com.br/artigos/artigo_six_sigma.php
Lição 3. Desenvolver uma infra-estrutura: a gestão Lean Six Sigma não deveria ser uma atividade extracurricular informal. Uma estrutura formal deve ser formada. O comprometimento da direção inclui estabelecer essa infra-estrutura e dar suporte a ela. 

 
Semana que vem continuo descrever as lições que aprendi, até lá!

Nenhum comentário:

Postar um comentário